Lembrar as raízes de onde viemos para viver os encantamentos do presente. Assim nasce em 2021 a Caravana das Alembranças, uma caminhada griô que vai ao encontro das raízes de mulheres brincantes, mestras de tradição oral que semeiam saberes e fazeres culturais do nosso Brasil. A Caravana das Alembranças inicia sua jornada no Distrito Federal e prepara o lançamento público das suas andanças para o dia 6 de setembro, através de vídeos de contação de histórias e bate-papos virtuais com o público. Depois, segue viagem Brasil afora, passando por Bahia, Pernambuco e Maranhão.

Nesta primeira etapa, com a guiança e apresentação da figura encantada Maria das Alembranças, fomos ao encontro de três mestras: a artesã e bonequeira Tetê Alcândida (Ceilândia/Taguatinga), a cantora e compositora Martinha do Coco (Paranoá) e a brincante de bumba-meu-boi e compositora Tamatatiua Freire (Sobradinho). As visitas e vivências, realizadas entre maio e julho de 2020, geraram uma série de vídeos com três episódios, onde as mestras compartilham suas memórias brincantes.
 

LANÇAMENTO

Os episódios serão lançados semanalmente, sempre às segundas-feiras, através do Youtube. Cada lançamento contará com a exibição de um dos vídeos e bate-papo ao vivo junto às mestras e o público, via zoom. O primeiro episódio, no dia 6 de setembro, apresenta “Tetê e o mundo encantado de pé no chão”, com a presença da mestra Tetê Alcândida. No dia 13, estreia “Brinquedos de Marta”, com a participação de Martinha do Coco. O lançamento da série finaliza no dia 20 com Tamatatiua Freire, no episódio “Tamá nas Terras do Aboiar”.
 

BATE-PAPOS AO VIVO – INSCREVA-SE!

Para participar das sessões de lançamento com bate-papo ao vivo, via zoom, é necessário realizar inscrição prévia. Todos os inscritos receberão o link da sala virtual 15 minutos antes da exibição, que começará às 20h.

Acesse aqui o FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO!

Após lançados, os vídeos estarão disponíveis no CANAL CARAVANA DAS ALEMBRANÇAS.
 

PROGRAMAÇÃO

  • 06/09, 20h: Episódio 1 – Tetê e o mundo encantado de pé no chão
  • 13/09, 20h: Episódio 2 – Brinquedos de Marta
  • 20/09, 20h: Episódio 3 – Tamá nas Terras do Aboiar


 
QUEM FAZ A CARAVANA GIRAR

A concepção do projeto é da artista brincante Luciana Meireles, com roteiros criados colaborativamente com as mestras convidadas. Todas as imagens e edição são de Lucas Viana, artista visual com uma poética voltada para as tradições populares e suas recriações contemporâneas. A trilha sonora original é do multi-instrumentista Daniel Carvalho, artes gráficas da fabulosa Nara Oliveira, animação do inventivo Farid Abdelnour, divulgação da primorosa Pareia Comunicação e Cultura e uma incrível parceria de produção executiva e administrativa com Alessandra Rosa e Guerrieri Homero.
 

AS MESTRAS

Tetê Alcândida
Tetê Alcândida é artesã, bonequeira, educadora popular e mulher brincante, uma griô de tradição oral. De família cigana, neta de rezadeira, bordadeira e filha de palhaço brincante, desde a infância, no interior do Goiás, convive com as folias. Recria seu próprio mundo com bonecos, artes e ofícios, tendo na natureza do Cerrado sua principal inspiração. Desde 1990, trabalha no movimento da cultura popular do DF, realizando trabalhos de cenografia e figurinos para os principais grupos de teatro popular e mamulengo. Atualmente, é coordenadora da Ocupação Cultural Batalhão das Artes, em Taguatinga (DF).

Martinha do Coco
Marta Leonardo, ou Mestra Martinha do Coco, é artista e militante da cultura popular brasileira. Nasceu em Olinda (PE) e, há 40 anos, é moradora do Paranoá. Desde a infância pernambucana, participava das cirandas, maracatus e cocos de roda da região. No Paranoá, conheceu o grupo Tamnoá, identificando-se com suas raízes e se consagrando como Martinha do Coco. Sempre rodeada pela família, mulheres e crianças, compartilha seus saberes e criações. Em 2013, recebeu o título de Mestra da Cultura Popular, pelo Ministério da Cultura, e, em 2019, recebeu uma homenagem da Câmara Legislativa do Distrito Federal, pelo desenvolvimento de seu trabalho autoral com influências culturais do Cerrado.

Tamatatíua Rosa Freire Ferreira
Filha do Mestre Teodoro Freire, Tamá ou Jamelinha da Mangueira, como é conhecida em sua comunidade, foi criada dentro da tradição maranhense do Bumba-meu-boi. Sempre atenta às histórias do seu pai e acompanhando a mãe, Dona Maria Senna, nos cuidados com os rituais e indumentárias das festas do boi, Tamá foi descobrindo seu dom para cantar e compor toadas. Aos 12 anos, começou a brincar como índia bailante de cordão, no Bumba-meu-boi. Em 1982, começou também a participar do Carnaval de Brasília, consolidando sua trajetória dentro das principais escolas de samba da cidade: Acadêmicos da Asa Norte e Bola Preta. Em 2005, criou o bloco “Acorda Maroca”, para brincar carnaval na sua comunidade, em Sobradinho. Em 2019, criou o projeto Bumba Maria Meu Boi, promovendo o fortalecimento do protagonismo das mulheres dentro da tradição.